Inicial |   Convenios |   Dicas de Saúde |   Artigos |   Help de Exames |   Perguntas Frequentes |
 
Acccom
Help de Exames
Pesquisa:  
Funedi TOXOPLASMOSE IGG, ANTICORPOS (IMUNOFLUORESCENCIA)
 

MNEMÔNICO:
TOX-G

SINONÍMIA:
Toxo IgG; Toxo G; Anti-Toxoplasmose IgG; Anticorpos Anti-Toxoplasmose IgG; Toxoplasma gondii IgG; Toxoplasmose IgG IFI; Toxoplasmose Gondii IgG; Toxoplasmose IgG Imunofluorescência Indireta; Reação de Sabin-Feldman.

MÉTODO:
Imunofluorescência Indireta

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum obrigatório de 8 horas

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Imunologia

MARCAÇÃO: 
4 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
Sorologia para toxoplasmose é realizada em pacientes com quadro clínico compatível com infecção pelo Toxoplasma gondii; como exame de rastreamento nas gestantes assintomáticas; para diagnóstico de toxoplasmose congênita ou em pacientes imunodeprimidos com suspeita de reativação de infecção passada. Ausência de anticorpos IgG e IgM indica ausência de contato com o protozoário e susceptibilidade. Resultados positivos para IgG na ausência de IgM indicam infecção passada pelo Toxoplasma. Na reativação em imunossuprimidos, geralmente não ocorre reaparecimento de IgM. Presença de IgM positiva pode indicar doença aguda ou reativação e os resultados devem ser confirmados. Na toxoplasmose congênita, IgG materno atravessa a placenta, e pode ser encontrado no soro do recém-nascido por até 1 ano. Como IgM não atravessa a barreira placentária, sua presença em soro de recém-nascido indica infecção.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Não reagente

Obs: A IgG anti-toxoplasma, por ser uma imunoglobulina de memória, pode estar presente tanto em pacientes com infecção aguda, quanto naqueles que tiveram infecção pelo Toxoplasma resolvida no passado.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
18/01/2010



Funedi TOXOPLASMOSE IGM, ANTICORPOS (IMUNOFLUORESCENCIA)
 

MNEMÔNICO:
TOX-M

SINONÍMIA:
Toxo IgM; Toxo M; Anti-Toxoplasmose IgM; Anticorpos Anti-Toxoplasmose IgM; Toxoplasma gondii IgM; Toxoplasmose IgM IFI; Toxoplasmose Gondii IgM; Toxoplasmose IgM Imunofluorescência Indireta; Reação de Sabin-Felddman.

MÉTODO:
Imunofluorescência indireta

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum obrigatório de 8 horas

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Imunologia

MARCAÇÃO: 
4 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
Sorologia para toxoplasmose é realizada em pacientes com quadro clínico compatível com infecção pelo Toxoplasma gondii; como exame de rastreamento nas gestantes assintomáticas; para diagnóstico de toxoplasmose congênita ou em pacientes imunodeprimidos com suspeita de reativação de infecção passada. Ausência de anticorpos IgG e IgM indica ausência de contato com o protozoário e susceptibilidade. Resultados positivos para IgG na ausência de IgM indicam infecção passada pelo Toxoplasma. Na reativação em imunossuprimidos, geralmente não ocorre reaparecimento de IgM. Presença de IgM positiva pode indicar doença aguda ou reativação e os resultados devem ser confirmados. Na toxoplasmose congênita, IgG materno atravessa a placenta, e pode ser encontrado no soro do recém-nascido por até 1 ano. Como IgM não atravessa a barreira placentária, sua presença em soro de recém-nascido indica infecção.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Não reagente

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
18/01/2010



Funedi TPO, ANTICORPOS ANTI
 

MNEMÔNICO:
TPO

SINONÍMIA:
Anti-TPO; TPO; Anticorpos Anti-TPO; Microssomal; Anti-Microssomal; Anticorpos Anti-Microssomal; Anti-Peroxidase; Anticorpos Anti-Peroxidase; Peroxidase Tireoidiana; Anti-Tireoperoxidase; Anticorpos Tireoidianos;

MÉTODO:
Quimioluminescência - DPC

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum não obrigatório

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Endocrinologia

MARCAÇÃO:
2 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
A tireoperoxidase é o principal antígeno envolvido na citotoxicidade dependente de anticorpos das doenças tireoidianas. Deste modo anticorpos anti-tireoperoxidase (anti-TPO) são os auto-anticorpos mais sensíveis para diagnóstico de tireoidite auto-imune. Cerca de 95% dos pacientes com bócio difuso e/ou hipotireoidismo apresentam anti-TPO, enquanto apenas 60% apresentam anti-tireoglobulina. Está presente ainda em cerca de 75% dos pacientes com doença de Graves (hipertireoidismo). A detecção de anticorpos anti-TPO está indicada no diagnóstico diferencial de hipotireoidsmo. No diagnóstico de hipotireoidsmo subclínico (TSH aumentado e T4 livre em níveis normais), também esta indicado já que, nestes casos, cerca de 5 a 25% dos pacientes com anti-TPO evoluem para hipotireoismo clínico a cada ano.
A peroxidase tireoidiano (TPO), uma enzima que cataliza as etapas de iodinação e acoplamento da biosíntese do hormônio tireoidiano, e agora conhecida como o principal antígeno microssomal. O principal uso deste exame e a confirmação do diagnóstico de tireoidite autoimune. O anticorpo anti-TPO tem sido utilizado no lugar da determinação do anticorpo antimicrossomal. Anticorpos anti-TPO podem ser detectados em pessoas sem doença tireoidiana significativa. Eles não definem o status funcional tireoidiano do paciente. Substitui com vantagens os anticorpos antimicrossomais.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Inferior a 35,0 UI/mL

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
18/01/2010



Funedi TPO, ANTICORPOS ANTI (DILUIO)
 

MNEMÔNICO: 
TPODSA

SINONÍMIA:
Anti-TPO (Diluição); TPO; Anticorpos Anti-TPO; Anti-Tireoperoxidase; Anti-Microssomal; Anti-Peroxidase Tireoidiana; Tireoperoxidase,Anticorpos Anti;

MÉTODO: 
Quimioluminescência - DPC 

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum não obrigatório

COLETA:                                                                                                                                                                                                         0,5 mL de Soro

SETOR:
Endocrinologia

MARCAÇÃO: 
3 dias uteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
A peroxidase tireoidiano (TPO), uma enzima que cataliza as etapas de iodinacao e acoplamento da biosintese do hormonio tireoidiano, e agora conhecida como o principal antigeno microssomal. O principal uso deste exame e a confirmacao do diagnostico de tireoidite autoimune. O anticorpo anti-TPO tem sido utilizado no lugar da determinacao do anticorpo antimicrossomal. Anticorpos anti-TPO podem ser detectados em pessoas sem doenca tireoidiana significativa. Eles nao definem o status funcional tireoidiano do paciente. Substitui com vantagens os anticorpos antimicrossomais.

VALOR DE REFERÊNCIA: 
Inferior a 35,0 UI/mL

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
05/09/2011.



Funedi TRAB - ANTICORPO INIBIDOR DE TSH
 

MNEMÔNICO:
TRAB

SINONÍMIA:
TRAb; TRAB; Trab; Anticorpo Inibidor de TSH; Anticorpo Inibidor de TSH Endógeno; TSH - Anticorpo Inibidor; Anticorpo Anti-Receptor de TSH; Anti-Receptor de TSH; Anticorpo Estimulador da Tireóide; TSI; TBII; TSAB; LATS; AIT;

MÉTODO:
Radioimunoensaio

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum desejável de 4 horas

COLETA:
0,5 mL de soro congelado

SETOR:
Endocrinologia

MARCAÇÃO: 
4 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
O TRAB é um anticorpo anti-receptor de TSH e a sua presença em concentrações significativas no soro indica doença autoimune em atividade (doença de Graves). É útil no diagnóstico de hipertireoidismo e na avaliação de recidiva da doença de Graves, uma vez que seus níveis diminuem com o uso de drogas antitireoidianas. Assim, ausência de TRAB após tratamento para hipertireoidismo, diminui a tendência de recidiva da doença. Estes anticorpos podem estar presentes também, em alguns casos de tireoidite de Hashimoto, tireoidite subaguda, tireoidite silenciosa, e em recém-nascidos de mães portadoras de doenças de Graves, devido a transferência feto-placentária destes anticorpos.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Inibição maior que 10% é considerado positivo.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
26/07/2011



Funedi TRANSAMINASE GLUTÂMICO OXALACÉTICA, DOSAGEM
 

MNEMÔNICO:
TGO

SINONÍMIA:
AST; TGO; ASAT; SGOT; Aminotransferases; Transaminase Glutâmico Oxalacética; Aspartato Amino Transferase; Aspartato Aminotransferase.

MÉTODO:
Enzimático automatizado

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum não obrigatório

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Bioquímica

MARCAÇÃO:
Mesmo dia quando solicitado ou 1 dia útil.

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
Elevações das aminotransferases se relacionam a lesão celular, podendo ocorrer nas hepatites, na mononucleose, cirrose, colestase, carcinoma hepático primário ou metastático, pancreatite, traumatismo extenso e no choque prolongado. Nas hepatites agudas geralmente seus valores se elevam até mais de 10 vezes. Aspartato aminotransferase (AST/TGO) está presente no citoplasma e mitocôndria de células de diversos tecidos (fígado, músculo esquelético e cardíaco, dentre outros). Alanina aminotransferase (ALT/TGP) está presente apenas no citoplasma, e predomina nos hepatócitos. Deste modo AST é menos específico para lesão hepática que o ALT (TGP). No infarto, AST apresenta aumento importante, enquanto ALT não aumenta significativamente. AST é mais sensível para doença hepática relacionada ao álcool, já que a lesão pelo álcool ocorre, principalmente, a nível mitocondrial.
Utilizado juntamente com a TGP nas doenças hepáticas e musculares. TGO (AST) é também encontrada no músculo esquelético, rins, cérebro, pulmões, pâncreas, baço e leucócitos. Valores elevados ocorrem na ingestão alcóolica, cirrose, deficiência de piridoxina, hepatites virais, hemocromatoses, colescistite, colestase, anemias hemolíticas, hipotireoidismo, infarto agudo do miocárdio, insufuciência cardíaca, doenças musculo-esqueléticas, nas esteatoses e hepatites não alcóolicas. Na hepatite alcóolica os valores de TGO são, em geral, inferiores a 250 U/L, sendo, entretanto, superiores as elevações da TGP. Várias drogas e hemólise da amostra podem causar aumento espúrio da TGO.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Homens : inferior a 35 U/L
Mulheres : inferior a 31 U/L

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
09/08/2011



Funedi TRANSAMINASE GLUTÂMICO PIRÚVICA, DOSAGEM
 

MNEMÔNICO:
TGP

SINONÍMIA:
ALT; TGP; SGPT; Aminotransferases; Transaminase Glutâmico Pirúvia; Alanina Amino Transferase; Alanina Aminotransferase

MÉTODO:
Enzimático automatizado

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum não obrigatório

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Bioquímica

MARCAÇÃO:
Mesmo dia quando solicitado ou 1 dia útil.

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
Elevações das aminotransferases se relacionam a lesão celular, podendo ocorrer nas hepatites, na mononucleose, cirrose, colestase, carcinoma hepático primário ou metastático, pancreatite, traumatismo extenso e no choque prolongado. Nas hepatites agudas geralmente seus valores se elevam até mais de 10 vezes. Aspartato aminotransferase (AST/TGO) está presente no citoplasma e mitocôndria de células de diversos tecidos (fígado, músculo esquelético e cardíaco, dentre outros). Alanina aminotransferase (ALT/TGP) está presente apenas no citoplasma, e predomina nos hepatócitos. Deste modo AST é menos específico para lesão hepática que o ALT (TGP). No infarto, AST apresenta aumento importante, enquanto ALT não aumenta significativamente. AST é mais sensível para doença hepática relacionada ao álcool, já que a lesão pelo álcool ocorre, principalmente, a nível mitocondrial.

A transaminase TGP se localiza principalmente no fígado. A TGP é mais sensível que a TGO na detecção de injúria do hepatócito. Valores elevados são encontrados no etilismo, hepatites virais, hepatites não alcóolicas, cirrose, colestase, hemocromatose, anemias hemolíticas, hipotireoidismo, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca, doenças musculo-esqueléticas, doença de Wilson e na deficiência de alfa-1-tripsina. Níveis de TGP são superiores a TGO nas hepatites e esteatoses não alcóolicas. Várias drogas e hemólise da amostra podem causar aumento espúrio da TGO.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Homens   : inferior a 41 U/L
Mulheres : inferior a 31 U/L

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
19/01/2010



Funedi TRANSFERRINA, DOSAGEM
 

MNEMÔNICO:
TRANSFER

SINONÍMIA:
TRF; Siderofilina; Proteína Transportadora do Ferro

MÉTODO:
Cálculo Beseado na Capacidade Total de Ligação do Ferro

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum obrigatório de 8 horas para adultos.
Intervalo entre mamadas para lactentes.

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

INTERFERENTES:
Icterícia e Hipertrigliceridemia (Valores altos de bilirrubina e triglicérides).
Hemólise do soro

SETOR:
Bioquímica

MARCAÇÃO:
1 dia útil.

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
A transferrina é a principal molécula transportadora de ferro no organismo. Seus valores estão relacionados a capacidade total de ligação do ferro (CTLF) que pode ser calculada através da fórmula CTLF (mcg/dL) = transferrina (mg/dL) x 1,25. A CTLF é utilizada para cálculo do índice de saturação da transferrina. Transferrina, associada ao ferro sérico e ferrinina, é útil na abordagem laboratorial das anemias hipocrômicas e microcíticas. Valores aumentados de transferrina são encontrados na deficiência de ferro. Pode se encontrar em valores normais ou diminuídos na anemia por doença crônica, anemia sideroblástica, anemias hemolíticas e hemocromatose.

É a principal proteína de transporte do ferro, sendo sintetizada no fígado e migrando para região beta na eletroforese. Útil para diagnóstico e manejo de anemias. O teor de transferrina é tradicionalmente mensurado como a capacidade de combinação da transferrina. Essa aumenta nos casos de deficiência e diminui nos casos de inflamações crônicas, neoplasias e hemocromatose. Atualmente, imunoensaios podem determinar diretamente a transferrina, havendo boa correlação entre os níveis de transferrina e a capacidade total de combinação do ferro. A transferrina apresenta um polimorfismo genético importante. Sua síntese é inversamente proporcional a quantidade de ferro sérico. Valores elevados são encontrados nas anemias ferroprivas, hemorragias agudas, no uso de estrógeno e gravidez (elevação de 30 a 50%). Deve-se lembrar que a transferrina é uma beta- 1-globulina, sendo um marcador negativo de fase aguda, reduzindo em processos inflamatórios e infecciosos agudos, hipoproteinemia também pode causar níveis baixos de transferrina.

VALOR DE REFERÊNCIA:
De 200 a 300 mg/dL

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
19/01/2010



Funedi TRANSGLUTAMINASE TECIDUAL, ANTICORPOS ANTI IGA (tTG)
 

MNEMÔNICO:
TRANS-GLU

SINONÍMIA:
Anticorpos Anti-Transglutaminase Tecidua; tTG; TTG; Anti-Transglutaminase Tecidual; Anticorpos Anti-Transglutaminase Tecidual IgA; Doença Celíaca; Anti-tTG; Anti-TTH

MÉTODO:
Fluoroimunoanálise

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum desejável de 4 horas

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Imunologia

MARCAÇÃO: 
4 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
Teste útil para diagnóstico e monitorização do tratamento da Doença Celíaca (DC) e da Dermatite Herpetiforme. A transglutaminase tecidual é o auto-antígeno detectado pelos anticorpos anti-endomísio. Anticorpos anti-TTG apresentam sensibilidade (95% a 98%) superior aos anticorpos anti-endomísio, mas especificidade menor. O padrão ouro para diagnóstico de DC é a biopsia intestinal.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Não reagente..: Inferior a 7,0 U/mL
Indeterminado.: 7,0 a 10,0 U/mL
Reagente..........: Superior a 10,0 U/mL 

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
11/05/2011



Funedi TREPONEMA PALLIDUM - HEMOAGLUTINAÇAO
 

MNEMÔNICO:
TP-HA

SINONÍMIA:
Sífilis; TPHA; Treponema; Treponema pallidum; Anticorpos para Treponema pallidum; Hemoaglutinação para T. pallidum; Aglutinação para T. pallidum; Treponemal; MHATP.

MÉTODO:
Hemaglutinação

MATERIAL:
Sangue

CONDIÇÃO:
Jejum obrigatório de 8 horas para adultos.
Intervalo entre mamadas para lactentes.

COLETA:
0,5 mL de soro refrigerado

SETOR:
Imunologia

MARCAÇÃO: 
4 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
A hemaglutinação para sífilis é um teste treponêmico, utilizado como confirmatório para sífilis em caso de VDRL reagente. Pode ser utilizado como primeira escolha na suspeita de sífilis terciária devido a queda da positividade do VDRL nesta situação. Esta geralmente, reativo em casos de sífilis primária, secundária, latente e terciária. Após o tratamento o teste permanece positivo, não sendo, portanto, utilizado para controle terapêutico. Em comparação com o FTA-ABS, apresenta desempenho semelhante, a não ser por uma pequena diminuição da sensibilidade nos casos de sífilis primária.

VALOR DE REFERÊNCIA:
Não reagente

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 
27/09/2010



Funedi TRICHOMONAS, CULTURA
 

MNEMÔNICO:
TRIC-CT

SINONÍMIA:
Cultura para Trichomonas; Cultura para Trichomonas vaginalis; Cultura para Tricomonas; Cultura para Tricomonas vaginalis; Parasitas - Cultura; Protozoários - Cultura;

MÉTODO:
Cultura em Meio Específico

MATERIAL:
Secreção uretral, secreção vaginal, secreção endocervical, 1º jato urinário, esperma.

CONDIÇÃO:
Em caso de uso de medicação tópica (de uso no local da coleta), deve-se aguardar 2 dias após o término do uso para realização do exame ou conforme orientação médica.

COLETA:
Colher o máximo de material possivel com swab e colocar em salina esteril. Nos casos de secrecao uretral com material escasso, recomendamos enviar tambem o 1º jato urinario.

INSTRUÇÕES PARA COLETA:

*Coleta uretral:
Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas.

* Coleta vulvar:
Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas;
Não usar desinfetantes ou medicações tópicas (caso esteja em uso, aguardar 48 horas após o término);
Não realizar higiene/banho no dia da coleta;
Não manter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame.

*Coleta em Vagina, fundo de saco vaginal, colo uterino e canal endocervical: A paciente não deverá ter feito ducha vaginal nas 24 horas anteriores ao exame;
Não fazer uso de desinfetantes ou medicações tópicas (caso estiver, aguardar 48 horas após o término);
Não manter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame;
Não deve ter feito exame ginecológico com o uso de iodo ou ácido acético nas últimas 24 horas;
Não estar menstruada (caso estiver, aguardar 48 horas após o término da menstruação).

SETOR:
Microbiologia

MARCAÇÃO:
8 dias úteis

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
A cultura é utilizada para confirmação de infecção em pacientes com quadro clínico sugestivo e pesquisa negativa. Também indicada na propedêutica de uretrite não gonocócica e prostatite.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
19/01/2010



Funedi TRICHOMONAS, PESQUISA
 

MNEMÔNICO:
TRIC-P

SINONÍMIA:
Pesquisa para Trichomonas; Pesquisa para Trichomonas vaginalis; Pesquisa para Tricomonas; Pesquisa para Tricomonas vaginalis; Parasitas - Pesquisa; Protozoários - Pesquisa;

MÉTODO:
Microscopia Ótica Direta

MATERIAL:
Secreção uretral, Secreção vaginal, Secreção endocervical, Urina 1º jato, Esperma, etc

CONDIÇÃO:
Em caso de uso de medicação tópica (de uso no local da coleta), deve-se aguardar 2 dias após o término do uso para realização do exame ou conforme orientação médica.

COLETA:
*Secreções:
Colher o máximo de material possível com swab e colocar em salina estéril. Nos casos de secreção uretral com material escasso, recomendamos enviar também o 1º jato urinário.
* Urina:
Primeiro jato da primeira urina da manhã ou com o mínimo de 4 horas após a última micção. Colher de 10 a 20 ml.

INSTRUÇÕES PARA COLETA:
* Coleta uretral:
Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas.
* Coleta vulvar:
Vir para a coleta, preferencialmente pela manhã sem urinar, ou estar sem urinar há pelo menos 4 horas;
Não usar desinfetantes ou medicações tópicas (caso esteja em uso, aguardar 48 horas após o término);
Não realizar higiene/banho no dia da coleta;
Não ter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame.

* Coleta em Vagina, fundo de saco vaginal, colo uterino e canal endocervical:
A paciente não deverá ter feito ducha vaginal nas 24 horas anteriores ao exame;
Não fazer uso de desinfetantes ou medicações tópicas (caso estiver, aguardar 48 horas após o término);
Não manter relação sexual nas últimas 24 horas anteriores ao exame;
Não deve ter feito exame ginecológico com o uso de iodo ou ácido acético nas últimas 24 horas;
Não estar menstruada (caso estiver, aguardar 48 horas após o término da menstruação).

SETOR:
Microbiologia

MARCAÇÃO:
Mesmo dia quando solicitado ou 1 dia útil

APLICAÇÕES CLÍNICAS:
O Trichomonas vaginalis é um flagelado patogênico, de transmissão sexual que acomete homens e mulheres. Os homens são em sua maioria assintomáticos, e nas mulheres o parasita desenvolve vaginite persistente com secreção purulenta. A sensibilidade da pesquisa varia entre 40% e 80%, sendo menor quando o intervalo entre a coleta e a pesquisa é prolongado. A coleta deve preferencialmente ser realizada antes do toque vaginal.

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO:
19/01/2010



Rua Cel. João Notini - Nº. 116 - Centro - Divinópolis/MG - (37) 3221-9142
Vinte Três de Novembro, 345 - São João de Deus - Divinópolis/MG - (37) 3215-4482
Diógenes Nogueira, 11 - Loja 05 “ED. Central Park” - Centro - Itaúna/MG - (37) 3241-5455

Intranet Laboratório Análise

Site desenvolvido por OnlineSites | Desenvolvimento e criação de sites
Laboratório Análise | Todos os direitos reservados | © 2008-2010 Login de Acesso